NATAL 2011

Levi Nauter




Neste ano decidi não buscar novidades em termos de música de natal. Já se sabe quais são, digamos, os clássicos dessa época. Assim, repito minhas audições de anos anteriores (basta verificar o dezembro de 2009 e 2010).
Mas há uma novidade nesse ano que não pude deixar de buscar. Trata-se do CD natalino do excepcional Michael Bublé. O cantor canadense arrasa na voz e bem aproveita os belos arranjos jazzísticos. Destaco a famosa Jingles Bells cujos vocais das The Puppini Sisters foram estonteantemente muito bem feitos. Vocais que me fizeram buscá-las. O CD de natal delas também é muito bom, dentro da proposta delas, claro, de música antiga.
Para finalizar, já que estou no ritmo, tenho uma sugestão para quem gosta de vocais. Trata-se do belo trio Wilson Philips. Em Christmas in harmony revela a mesma suavidade que conheci em 1994 com o disco Hold on. Vale a pena ouvi-los.
 






















Para conferir os bastidores de Jinlge Bells:



http://www.youtube.com/watch?v=y2Htw8nRuTk&hd=1




zzzzzzzzzzzzzzz

Levi Nauter


Não ando com vontade de escrever, exceto para minha filha. Sigo trabalhando manhã, tarde e noite. Os poucos momentos que tenho (finais de semana e quartas-feiras) opto por ficar em casa com as minhas duas flores. Divirto-me com elas e com as leituras que fazemos juntos; com os filmes que vemos, com as músicas que ouvimos e dançamos (do nosso jeito, claro) e com as pipocas, bolos e chás com os quais nos alimentamos. Hummmm!
Que difícil está sendo emagrecer.
Continuo feliz sem ter Orkut, Facebook e outras quinquilharias que só tomam nosso tempo e nos dão a ilusão de companhias. Esse papo de convivência com as pessoas e blá-blá-blá não passa disso mesmo. Gente é pra se ver no tete-a-tete. Se amigos, mais ainda.
Um dia eu volto. Nada no mundo cristão tem me feito parar para escrever. Nem  a neurose da caça aos gays, nem esse evangelho que anda por aí. Então é melhor ficar quieto. Tenho mais o que fazer.
Se houver algum interesse: WWW.florzinhadaminhavida.blogspot.com

confiança


Levi Nauter

 

Hoje tive de andar aproximadamente dois quilômetros, a pé, da oficina de carros até a casa da minha sogra. Trajeto simples não fossem os trinta graus de calor e o descaso do serviço público para com o cidadão que paga em dia seus impostos (asfalto e calçada esburacados).
No trajeto, duas cenas chamaram minha atenção. Na primeira, um automóvel Uno, branco, de idade avançada, exibia três adesivos idênticos, na traseira e nas laterais: eu vou vencer (com uma foto de meio corpo do RR Soares). A outra cena foi numa rua feia, de casas feias (porque sujas, sem atrativos estéticos e antigas – anos 70). Num terreno com quatro casebres, a primeira casa possuía uma plaqueta com letras mal pintadas: joga-se cartas. Com as duas imagens segui meu caminho. No entanto, a inquietação me tomou. Comecei a divagar até que cheguei ao tema da confiabilidade.
Estou me recuperando de um pequeno procedimento cirúrgico e, por mais simples que seja, quem me operou foi um médico no qual confiei. Outros médicos sugeriram a cirurgia, um outro explicou-me o procedimento. Em nenhum deles eu sentira ‘firmeza’. Nenhum estabeleceu comigo a confiabilidade. Mas o que me operou sim. Com ele eu relaxei. Depois da consulta eu cheguei em casa e disse pra Lu: “os outros médicos não me interessaram, quero ser operado por esse doutor nem que eu tenha de pagar”. E assim foi.
Voltando aos deuses, porque a meu ver trata-se dessas entidades, eu não via criticidade nos lugares onde estavam as placas. O que teria levado o dono ou a dona do carro a colocar um adesivo daqueles no carro? Seria a frase? Seria a foto? Ou as duas coisas? E qual a diferença entre EU VOU VENCER para o RR e EU VOU VENCER para o usuário do adjetivo? Lembremos que um estava com um Fiat Uno, o outro, continua a oferecer milhões por showzinho (ao que parece cogitou comprar o SBT. Pode parecer razoável a um querer trocar de carro, enquanto que para o outro não é menos razoável intentar ampliar seu poder de mídia. Um último questionamento: qual a diferença entre ter e não ter a foto do RR nesses adesivos?
Adiante na divagação vem a placa no casebre. É possível confiar em quem joga cartas e vive na miséria terrível? Por que quem prevê o futuro a outrem não prevê para si próprio algo bem bom? O deus dessa ou desse “carteiro/carteira” sente prazer com o submundo de seus mensageiros?
Adianto-me em dizer que sou um crente. Creio na importância de se ter sonhos, objetivos, propósito. Creio também na relevância de se buscar meios (mais de um) que proporcione a realização dessas metas o mais rápido possível. Eu ainda creio em milagres (o que alguns chamariam de sorte). Descreio, contudo, de crenças em cartas, frases de efeito, em coisas do tipo The Secret. Não creio em milagres com copo d’água e/ou com foto desse ou daquele santo forte (e nisso se inclui o nada santo RR). Na mesma proporção desacredito do fatalismo, aquelas coisas do tipo ‘o que você faria se só tivesse 30 dias para viver?’. Piorou ainda a falácia do ‘Deus é que sabe’, ou ‘Deus quis assim’, ou ‘Se Deus quiser’ – entre outras.
Como diria O rappa, “minha fé é minha cultura”.
Acredito nas minhas pernas, nos meus braços, nos cinco sentidos e na força de vontade. A ética, a dignidade, a legalidade, o bom senso, a cooperação, a humildade/simplicidade, tudo pode me levar à realização daquilo que vislumbro. Como um cristão sem igreja (e não sem um Deus, com quem venho buscando uma relação mais baseada na Graça) acredito que o Todo-poderoso é quem me dá forças ao longo do caminho.
Portanto, eu jamais colocarei adesivos com frases de efeito em meu carro. Ademais, símbolo nenhum que identifique a minha crença. Penso que quem faz isso tem muito mais responsabilidade em aliar discurso com prática. Outros há por aí, por exemplo, que com símbolos e dizeres cristãos ultrapassam o sinal vermelho. É tempo de coerência.
Eu não sei jogar cartas e nunca fui a alguém atrás disso. A bem da verdade, não creio que cartas possam me dizer algo. Elas não convivem comigo. Somente pessoas podem me sugerir o que fazer; mas as que comigo convivem. Se, porém, eu fosse procurar um ou uma cartomante – num momento de irracionalidade – não seria alguém com uma vida parecida com a minha ou menos. Não seria com quem quer prever meu futuro sem ter previsto o seu próprio porvir. Teria de ser alguém que me pudesse servir de modelo, exemplo naquilo que eu busco; haveria de ter uma conduta séria, ética, legalizada e ilibada. Do contrário eu agradeceria. Um cego não pode guiar outro.
A confiabilidade não se dá por placas ou adesivos. É mais profunda, advém da relação.




NOTA
Texto escrito em 18-01 e digitado em 02-02-2011. Digitado ao som do trio Lady Antebellum, CD Need You Now.


Ao longo de 2010

Levi Nauter






Ao longo de 2010 li (e ainda continuo lendo porque há bastante material) sobre a graça. Digo que li por ser mais fácil do que dizer que vivi. A vivência, creio eu, é um processo mais lento, demanda tempo e apreensão daquilo que se leu. Aquilo que internalizei possivelmente está vindo à tona e dará forma prática ao que hoje parece ser mais discurso.
O trabalho em três turnos, a dedicação de tempo para minha filha e para minha esposa tornou visível a falta de atualização de textos nos blogs[1] – especialmente neste. O Anotações sobre um cristianismo tinha um objetivo inicial que, passado algum tempo, não vejo mais sentido. Acho que cansei. Acabou meu tesão por ‘brigar’ pelo fim da instituição igreja; não tenho prazer em ficar explicando por que considero a igreja inútil para mim. Mas também não tenho vontade de sair catando um lugar para congregar. Não tenho medo do inferno – um deus que goste de inferninho provavelmente é dicotômico àquele em quem busco crer. Entendo a instituição e seus defensores, eles precisam de um lugar; os pastores e os que dela têm remuneração precisam sobreviver. Como ficariam essas Qualquer coisa music? E os Ministérios Disso e Daquilo? Há, infelizmente, uma série de pessoas que acredita nisso. Boa sorte a eles.
Eu cansei desse mundinho. Sinto-me em liberdade plena. A verdade me libertou e isso é o que me importa.
O lugar da minha adoração se ampliou e, junto, o meu espaço de oração. Agora eu sou (ou não) um cristão quando atendo (e bem) os meus alunos; quando dou informações importantes a quem as busca comigo. Sou cristão (ou não) no modo como convivo com meus vizinhos, no jeito que lido com o meu dinheiro, como cuido da casa, como respeito, amo e trato minha mulher e minha filha. Sou cristão (ou não) quando lido com meus familiares.  O cristianismo ganhou outra dimensão para mim.
Não preciso ler o último lançamento gringo que a igreja tal adotou como livro do mês. Não tenho de dar dinheiro a nenhum ‘Ministério de música’, tampouco tenho de escutar ou assistir às palestras de gurus enrustidos de pastores. Não tenho que aturar um pastor que fala de graça e que, contraditoriamente, quer dar um soco noutro colega. To fora.
Esse meu debruçar na graça me fez ver o quão longe estou de ser um cristão perfeito. Ou melhor, jamais serei cristão perfeito. Quando e se eu chegar nesse patamar certamente morrerei. Ainda estou em passos lentos rumo ao altruísmo. Graça tem bastante de altruísmo. Tem bastante de perder para, talvez, ganhar depois. Esse caminho aventureiro tem me dado mais alegria de estar do que o caminho legalista de regras estipulado pelas instituições religiosas.
A consequência do envolvimento com a graça será a diminuição dos meus textos em Anotações... e mais nos outros blogs. Minhas prioridades estão tomando outros rumos. Como o cristianismo igrejeiro tem me interessado pouco os textos a respeito igualmente escassearam. Vou comentar mais a pequena arte que possa haver nesse metier.
E, por enquanto, é isso.





meu jardim

meu jardim
minhas flores

minha alegria

minha alegria
Maria Flor

Sobre este blog

Para pensar e refletir sobre o cotidiano de um cristianismo que transcende as quatro paredes de um templo.


"Viver é escolher, é arriscar-se a enganar, aceitar o risco de ser culpado, de cometer erros" [Paul Tournier]

Vídeo

Loading...

Ouvindo

  • discografia do ótimo John Mayer

Followers

EU

Minha foto
LEVI NAUTER DE MIRA, doutorando em educação (UNISINOS), mestre em educação (UNISINOS) e graduado em Letras-português e literatura (ULBRA). Tenho interesse em livros de filosofia, sociologia, pedagogia e, às vezes, teologia. Sou casado com a Lu Mira, professora de História, e pai da linda Maria Flor. Adoramos filmes e séries.

Leituras

  • textos sobre EDUCAÇÃO (livros, revistas, artigos)
  • PROIBIDA A ENTRADA DE PESSOAS PERFEITAS, de John Burke
  • OS DESAFIOS DA ESCRITA, de Roger Chartier