TEOLOGIA DO CURRAL

TEOLOGIA DO CURRAL
Levi Nauter[*]


Aqui no Rio Grande do Sul, mais especificamente na Assembléia de Deus de Canoas, eu continuo pertencendo à lista de frequentadores (chamada por eles de membresia), embora dela eu tenha saído em 2003 oficialmente (porque em pensamento eu já estava longe há mais tempo) e não tenha nenhuma saudade. Isso explica pelo menos duas questões.
A primeira delas diz respeito aos números de congregados ou fieis a ela subordinados. Incrivelmente passo na frente de alguns templos com um número minguado de pessoas; além disso, sei de gente que andou “abrindo” igrejolas paralelas e ‘roubou’ membros de outras denominações – sobretudo assembleianos. É uma promiscuidade só, todo mundo quer o membro de todo mundo. Assim como no Brasil (note-se os Wellingtons Bezerras e a família Valadão), nosso estado possui igrejas cujas direções provêm de uma árvore genealógica. Em outras palavras, temos a igreja dos Figueirós (Encontros de Fé), a igreja do Eraldo (Rio de Deus), a do Gilberto (Batista Filadélfia), a do Paulo (Mover) e mais uma penca de outros ditos ministérios espalhados em várias localidades gaúchas. O mais triste, do meu ponto de vista, são as razões para as criações: Deus e perfumarias. Deus porque sempre ele leva as culpas. Nas igrejas ‘pente’ ou neopentecostais Deus tem as costas largas: a bênção virá de Deus, o dízimo e as ofertas são para a obra de Deus; se trabalhamos ‘na obra’ a recompensa virá de Deus. E quando há um racha, adivinhe a quem vai a culpa? Sobre isso, um exemplo.
A igreja do Mover, para existir, rompeu relações com a Luterana da qual fazia parte. No entanto, quando olhamos e lemos o sítio parece outra coisa. É possível notarmos uma divinização de fatos corriqueiros, a meu ver, muito mais relacionados a questões de incompatibilidade de gênios (diria João Bosco[1]). Então, para não dizer algo do tipo “a coisa tava ruim e resolvemos sair fora, montar uma igreja”, diz-se assim:

 “começamos a conhecer e a experimentar, em plenitude, o agir do Espírito Santo em nossas vidas [...]entendemos da parte de Deus que deveríamos partir para um ministério no qual pudéssemos pregar e viver livremente [...] O Senhor... nos levou a uma fábrica, já há dez anos abandonada, em ruínas, por conta de um incêndio. [...]outro fogo começou a arder ali - o do Espírito Santo. Com o auxílio do nosso Deus, que moveu os corações de muitos irmãos e irmãs na fé.”[2]

Ainda falta um breve comentário sobre a perfumaria. Chamo assim questões praticamente irrelevantes para que se mude de uma igreja a outra. São banalidades intrínsecas ao ser humano. Trago como exemplo a nossa imperfeição ou, nas palavras do educador Paulo Freire[3], nossa incompletude. Parece-me um erro grosseiro trocar de denominação apenas porque uma tem visão mais à esquerda e a outra mais à direita numa ideologia política. Igualmente considero insignificante a troca em razão de uma pedir mais dinheiro que a outra – afinal, todas pedem. Como um último exemplo de perfumaria, conto uma experiência que vivi. Um pastor queria ‘atrair-me’ ao seu rebanho. Na época eu era um músico na ativa. Seu argumento foi tão pífio quanto deve ser a relevância de seu templo: “venha pra minha igreja. Aqui não é necessário usar gravata. Não temos costumes. Só se usa no domingo à noite...”. Ora boas![4]
Finalizando a primeira das duas enunciações que fiz no primeiro parágrafo é hora de dizer que, incrivelmente, eu ainda consto como fiel da Primeira Igreja Evangélica Assembléia de Deus de Canoas. A razão dessa acertiva são as correspondências curralescas que ainda recebo, num endereço que já não moro mais há sete anos.
Agora inicio a segunda questão pela qual escrevi esse texto.
Chegou às minhas mãos uma cartinha curral-eleitoreira. Sim, dois célebres (se assim se pode chamar cidadãos comuns que se elegem deputados) fieis assembleianos são candidatos ao legislativo; um estadual, outro federal. Sob a égide da autoridade espiritual o pastor-mor de Canoas e o pastor-mor do estado (a dita Convenção) tecem elogios e indiretamente pedem voto aos ‘eleitos’ da congregação. Entre os feitos dos elegíveis? Um é pastor e, ao que parece, isso se basta. O outro, entretanto, já fez até sessão solene na câmara estadual e distribuiu alguma placa de homenagem, ou certificado, por alguma data igrejeira especial.
Infelizmente muita gente irá votar assim, a partir da indicação do pastor da igreja. Argumentará, talvez, como meu pai (um senhor de setenta e poucos anos) “a gente vota só por votar porque as autoridades já estão escolhidas por Deus”. Ou, ainda como meu pai, irá até um cartório eleitoral tentar não mais votar “porque não adianta nada, ninguém faz nada”. Lembro-me, no outro extremo, da última igreja que frequentei (Batista). O pastor ao apresentar um candidato à vereança disse: “nossa igreja elegeu esse irmão porque ele tem o ‘ministério da política’”. A que ponto havíamos chegado, votar em alguém pois, ao ver do pastor, o camarada era um quase enviado do céu[5].
Minha esperança é que as redes sociais cumpram o papel de “descurralização” eleitoral. E que as igrejas juntamente com seus pastores (que ganham a vida pra botar Deus em tudo) se conscientizem de que podem muito, mas não podem tudo.




SUGESTÃO DE UMA REFERÊNCIA
OYEKAN, Yinka. Manipulação, dominação e controle: desenvolvendo relacionamentos saudáveis. Rio de Janeiro, Danprewan, 2002.
TOURNIER, Paul. Culpa e Graça. Traduzido por Rute Silveira Eismann. São Paulo: ABU, 1985.
YANCEY, Philip; STAFFORD, Tim. Desventuras da vida cristã: as dificuldades existem, mas o final pode ser feliz. Trad. Jorge Camargo. São Paulo: Mundo Cristão, 2005.
BLUE, Ken. Abuso espiritual: como libertar-se de experiências negativas com a igreja. Trad. Sérgio R. Stancato de Souza. São Paulo: ABU Editora, 2000.




[1] http://youtu.be/FGsjpDkXZHE
[2] http://www.igrejadomover.org.br/content/19
[3] Paulo Freire foi um dos maiores expoentes da educação mundial. O pernambucano, além de esquerdista, prestou um inestimável trabalho ao Conselho Mundial de Igrejas (Genebra) quando de seu exílio.
[4] Isso provavelmente explica minha fascinação pela poesia cantada do Jorge Benjor: http://youtu.be/LRgqb0HvoCw
[5] http://www.youtube.com/watch?v=oyh6mSTpX5k





[*] Levi Nauter é professor de língua portuguesa e literatura; mestrando em educação (UNISINOS), blogueiro, casado com a professora de História Lu Mira e pai da Maria Flor. 

0 comentários:

meu jardim

meu jardim
minhas flores

minha alegria

minha alegria
Maria Flor

Sobre este blog

Para pensar e refletir sobre o cotidiano de um cristianismo que transcende as quatro paredes de um templo.


"Viver é escolher, é arriscar-se a enganar, aceitar o risco de ser culpado, de cometer erros" [Paul Tournier]

Vídeo

Loading...

Ouvindo

  • discografia do ótimo John Mayer

Followers

EU

Minha foto
LEVI NAUTER DE MIRA, doutorando em educação (UNISINOS), mestre em educação (UNISINOS) e graduado em Letras-português e literatura (ULBRA). Tenho interesse em livros de filosofia, sociologia, pedagogia e, às vezes, teologia. Sou casado com a Lu Mira, professora de História, e pai da linda Maria Flor. Adoramos filmes e séries.

Leituras

  • textos sobre EDUCAÇÃO (livros, revistas, artigos)
  • PROIBIDA A ENTRADA DE PESSOAS PERFEITAS, de John Burke
  • OS DESAFIOS DA ESCRITA, de Roger Chartier